sábado, 24 de dezembro de 2016

Dear Nico

Posso chamar-te assim, certo? Aparentemente somos velhos conhecidos, ou coisa parecida. Desde miúda ouço dizer que és tu que me trazes os presentes no natal. Sempre me perguntei como é que era possível saberes o nome e morada de todas as crianças do planeta, as suas boas e más acções, leres todas as suas cartas e entregares as suas prendinhas em tempo record. Tem dias que acho que, das duas uma: ou dás nos ácidos ou então és uma entidade imaginária.

Gostava de saber mais coisas sobre ti, até porque apesar de, alegadamente, me dares presentes todos os anos, nunca nos cruzamos. És mesmo um velhote barbudo e pançudo, com ar de quem já bebeu uns copitos a mais, ou és um rapaz todo pimpão, que gosta de passear com os amigos e pegar na prancha de surf? Será que em vez de Nicholas, és uma Natacha? Seria muito engraçado perceber que, na verdade, eras uma mulher. E, quem sabe, uma mulher empreendedora, que depois de um dia de trabalho, ainda tem que cuidar da casa e dos filhos. Ou das renas e dos pequenos gnomos. Não tem mal nenhum que não sejas casada e tenhas decidido não ter filhos. Não deixas de ser uma mulher por não te resignares ao fogão.

Supostamente, deverias adorar esta época do ano, mas não tenho a certeza se assim é. Não estou a ver como alguém conseguiria fazer tanto em tão pouco tempo sem ter uns 6592 "coisinhos maus" por minuto, a não ser que sejas daquelas pessoas que gosta de sentir a adernalina a bombar nas veias. Eu cá não gosto nada. Mesmo nada. Nada desta bida

E já agora, não te sentes enganado? É que te têm dito todos estes anos que és a figura central das celebrações natalícias, quando na verdade o que toda a gente celebra é o Yule. Será que se esses fervorosos cristão soubessem realmente que toda uma tradição de enfeitar a árvore com luzinhas, penduricalhos, fadinhas e estrelinas, trocar presentes, o azevinho, e até as cores do teu fato são coisas de pagãos, se converteriam ou teriam um piripaque? Também não te informaram, não foi? Mas não posso dizer que não mereças. Tiraste o lugar a um puto recém-nascido que nasceu numa manjedoura, o que estavas à espera? Bolachinhas e um copinho de leite morno?

Mas eu entendo, eu entendo. Este mundo de correrias e consumismo não é nada fácil. Faz-se o que se pode para se ganhar uns trocos. É tudo apressado nesta vida, até as prendas. Sabes aquele menino a quem tiraste o lugar? Ele costumava receber os presentinhos apenas do dia de Reis, precisamente quando o Gaspar, o Melchior e o... aquele, o preto... como é que se chamava mesmo?, chegaram à manjedoura para lhe dar o ouro, o incenso e a mirra. E que ricas prendas... Bem se vê que nem foram os moços que as compraram. Pediram às velhas tias solteiras, que mais ninguém acharia que aquelas coisas iriam fazer falta a um bebé. Excepto a que escolheu o ouro. Essa tia era très chic. Acho que faz todo o sentido dar os presentes em Janeiro, até porque nessa altura, está tudo em desconto, e a conta fica bem mais apetecível. Esta coisa do natal fica cara.

Olho para esta carta, que já vai longa, e vejo que não escrevi nada de jeito. Vou à minha vida e deixo-te para ires à tua. Esta devia ser a parte em que eu começava a pedir que me trouxesses coisas, mas este ano não vou fazer nada disso, até porque acho que fui demasiado naughty para tal (tinkle tinkle). Desta vez vou, ao invés, pedir que as leves. É um serviço de transporte na mesma. Leva-me a tristeza, a ansiedade, as noites sem dormir, as dores no corpo e na alma, e todas as outras coisas e pessoas que me fazem mal. Leva e não as voltes a embrulhar, para as transformares em presentes boomerang. Deixa-as resvalar por um penhasco abaixo, mas um daqueles bem fundos, para ter a certeza que não voltam.

Termino esta carta sem saber o que te desejar, para não correr o risco de ser politicamente incorrecta. Afinal, nem sei em que acreditas tu, ou se até não acreditas, de todo, em nada. Se bem que um contratado acredita sempre em alguma coisa, designadamente, que vai receber o seu dinheirito ao fim do mês (no teu caso é capaz de ser ao fim do ano) e que lhe vão renovar mais uma vez o contrato. (Convenhamos que, bem vistas as coisas, estás numa situação bem precária... Tirar o lugar a um bebé, Nico?!). Por isso, desejo-te apenas umas boas "cenas", so pick your poison. Eu cá fico-me pelo cianeto. O espírito de natal está mais que falecido por estes lados, mas, ainda assim, mais vale prevenir que remediar. Um cianetozinho no chá nunca fez mal a ninguém.

Yours truly,
Nightwisha Maria




* Nota: Este texto é uma sátira ao natal e ao comportamento humano no geral. Todas as piadas tem um intuito humorístico, mesmo as de mau gosto, incluindo as religiosas e raciais. Não é minha intenção que estas piadas sejam uma ofensa para quem quer que seja.

1 comentário:

Sê bem vindo!! Achaste este post tão maravilhoso como a sua autora? Ou tão alucinado da mona? Sente-te à vontade para deixar o teu contributo. Responderei assim que possível. Obrigada pela visita e volta sempre =)